E do nada...

Eu tinha tirado o dia de folga e não segui nenhum dos meus planos. Ao invés disso, fiquei entediada lendo mangás (outra linha que eu cruzei no bem sucedido descontrole da minha vida) e de repente já era quase 1h30 da manhã.

Me aconcheguei na cama pra dormir e então, sem nenhum motivo, sem nenhuma razão que poderia justificar isso: lembrei do meu pai.
Não apenas lembrei dele, como lembrei da última vez em que falei com ele. E eu, que nem ao menos me recordo da última vez que chorei, me vi com o rosto molhado de lágrimas que saíram sem nenhum esforço.


Eu falei com meu pai pela última vez dois dias antes dele morrer. Era uma quarta-feira e minha mãe me ligou do hospital e disse que ele queria falar comigo. Eu falei mesmo sem ele conseguir responder: disse que queria que ele voltasse logo pra gente ver jogo juntos. Nossa pequena e não-intencional tradição em noite de futebol.

Se eu soubesse que não ia mais falar com ele, eu teria dito outras coisas? 
Não é engraçado pensar que a morte é a única certeza dessa vida e a gente evita sequer pensar que ela está próxima?

Meu pai tinha câncer, tava internado, tomando morfina e ainda assim eu não entendi que ele estava querendo se despedir pq eu não conseguia aceitar que ele iria morrer. Tanto que na sexta-feira, enquanto eu almoçava, eu ainda dizia pra minha irmã que ele ia ficar bem - ele morreu horas depois disso...

Eu dava um beijo no meu pai todas as noites antes de dormir. Mas eu não consigo lembrar, por mais que eu me esforce, quando foi a última noite que fiz isso, pq eu não consigo lembrar quando foi a última vez que o vi antes dele ir pro hospital - eu não o vi internado pois não fui ao hospital e agradeço muito por minha família ter respeitado a vontade de uma menina de 13 anos que não queria ver o pai morrendo pq se recusava a ter essa imagem sobreposta à imagem que ela tinha visto dele por toda a vida.

Tem quase 20 anos que ele morreu e a ausência dele já é bem maior do que o tempo que tive com ele. Eu já não lembro do som da voz dele, esqueço todos os anos quando era o aniversário (era perto do meu, a gente comemorava junto) e a saudade não dói mais, mas de repente ela aparece. Me pega de guarda baixa, numa madrugada qualquer e me faz escrever um texto  desse tipo enquanto me nocauteia. 

Tudo isso e quase às 2h da manhã...

5 pessoas viram:

  1. Obrigado por ter escrito esse texto. Perdi minha mãe e também não consigo lembrar da voz dela, dos seus trejeitos. Esse final é mesmo nocauteador.

    ResponderExcluir
  2. Eu demorei para comentar esse texto pois sem condições viu? rs Às vezes eu penso "ai que droga, minha amiga passando por esses momentos quando tá sozinha", mas aí eu lembro que vc nunca esteve só, e que essa sua capacidade de sentir, expressar e de logo estar em paz novamente vem da sua melhor companhia. Pare de me fazer chorar com seus textos por favor, é tudo que eu peço. Você nos deve um texto parar rir agora. rs

    ResponderExcluir

>>